A Horda

Chraobh – O Mundo da Horda

 

No início dos tempos, a magia fazia parte da vida das pessoas e os feiticeiros tinham um lugar de destaque na sociedade. Eram membros respeitados na comunidade, mas com a ascensão do Cristianismo e a necessidade de obscurecer as “religiões pagãs” do imaginário do povo, a magia foi transformada em tabu e os feiticeiros passaram a ser considerados figuras “adoradoras do diabo”. Com a perseguição da Igreja, as pessoas que tinham o dom da magia passaram a ter que praticá-la às escondidas e na Idade das Trevas, onde homens e, principalmente, mulheres eram mortos por bruxaria, houve a necessidade de se proteger.

Foi quando grandes Clãs de antigos feiticeiros organizaram-se e refugiaram-se em um mundo a parte, uma dimensão que recebeu o nome de Chraobh, que em gálico significa “árvore”. Este era um nome apropriado para um mundo regido por magia, que crescia a todo instante, onde suas raízes tocavam o mundo normal, criando passagens ou portais entre os dois mundos, que apenas feiticeiros ou pessoas com algum poder paranormal seriam capazes de ver e atravessar. O nome também fazia referência à organização dos Clãs, que futuramente seriam conhecido como A Horda no mundo humano, formado por conjuntos de famílias de uma região específica, que se estruturavam como uma árvore.

O Clã principal se tornou o tronco e os menores os galhos, variando de importância conformem fossem mais próximos dos feiticeiros e feiticeiras originais que sobreviveram à Idade das Trevas. Com o passar do tempo, as famílias menores passaram a adquirir status apenas quando algum membro se destacava, devido ao seu poder e habilidades mágicas.

Por séculos, A Horda viveu isolada, em segredo, separada do mundo humano e tinha uma importante regra: não usar a magia fora de Chraobh ou dos círculos protegidos, que os mantinham ocultos quando estavam na Terra. Esta era uma forma de separar o novo mundo da Horda do mundo dos humanos. Muito dos folclores e das lendas que conhecemos hoje em dia, são manifestações de momentos em que os dois “universos” acidentalmente se colidem. Pejorativamente, os mais jovens, que nasceram em Chraobh, chamam as pessoas “normais” de mundanos, simplesmente por não terem nada de especial, mesmo que isso vá contra o Conselho das Matriarcas, que sabem que sua origem vêm da mesma Terra e, portanto, não deveria haver qualquer preconceito.

A maioria dos Clãs do Velho Mundo (Europa, Ásia e África) têm raízes milenares e alguns remontam aos primórdios da Civilização, onde antes eram perfeitamente inseridos na sociedade. No Novo Mundo (América e Oceania), a maioria dos Clãs originais foram dizimados pela ocupação europeia, assim como aconteceu com os indígenas, mas alguns se fecharam tanto, que sumiram em locais ermos do continente, perdendo contato com o restante da Horda. Nos dias atuais, esses continentes são ocupados por famílias pertencentes a outros Clãs, que se organizaram até formarem os “novos Clãs”, como são chamados.

A estrutura de governo da Horda não possui um chefe nomeado ou eleito. Todas as decisões regionais são decididas pelas anciãs do Clã e aqueles que afetam todos de modo geral, exigem a reunião do Conselho das Matriarcas, onde todas tem o mesmo poder e não há prevalência de nenhum Clã em especial.

 

A Horda Atualmente

 

Quando o uso de magia se tornou algo totalmente proibido fora de Chraobh, foi criada A Guarda, um grupo de feiticeiros que regula as práticas mágicas no mundo humano e reprime aqueles que desobedecem a lei. Para lidar com casos extremos envolvendo feiticeiros que usam de magia para interferir na sociedade atual, muitas vezes em busca de poder no mundo caótico pós-colapso financeiro, foram criados os Venatores, caçadores poderosos e altamente treinados, que podem usar tanto de magia branca como negra, além de conseguirem invocar seres multidimensionais.

Recentemente Chraobh e A Horda dos Feiticeiros se revelou aos humanos, quando uma guerra interna por poder quase destruiu os principais Clãs. Algumas batalhas acabaram gerando consequências devastadoras, como a destruição de Milão e desde então os feiticeiros não puderam mais se manter disfarçados. A sociedade atual se viu descobrindo este novo universo, o que gerou medo, revolta e desconfiança dos governos humanos. Ainda assim, a Horda, enquanto tenta se restaurar, mantém a regra básica de não usar magia no mundo humano e qualquer um que o faça é severamente punido.