Fundação JUSTICE

A Fundação JUSTICE

 

 

 

Cinco anos após o Colapso Financeiro Mundial, o multimilionário Joseph Conrad, presidente da Mastermind, a maior corporação que controla o planeta, decidiu criar algo que controlasse a criminalidade e a corrupção da sociedade, mas por ser um dos “líderes mundiais”, suas ações não podiam ser claras.

Inspirado nos sonhos de sua esposa Helena, de construir um mundo melhor, com o apoio de seu irmão, William, criou a Fundação JUSTICE destinada a estimular jovens mentes com talentos especiais. Dentro dela, eles teriam o apoio e o incentivo necessário para desenvolver ao máximo suas potencialidades ao mesmo tempo em que obtinham uma educação voltada para identificar o certo do errado.

Porém, isso não era o bastante e, após o nascimento de seu único filho, o desejo por efetuar um trabalho mais efetivo se tornou cada vez mais real. Foi quando ele projetou, em primeiro lugar, a Agência J, um grupo de segurança privada coloca a serviço da sociedade e com parceria com a polícia local, transformando-a o disfarce perfeito para ocultar as atividades ocultas da Fundação JUSTICE, de prevenção e, principalmente, combate ao crime organizado. Só então ele colocou em prática o Projeto JUSTICE.

Após a morte de sua esposa, Joseph secretamente começou o combate ao crime, eliminando àqueles que a justiça comum não era capaz de atingir e muito menos punir. Para tanto, criou o Projeto JUSTICE, que embora seja ligado a agência, oficialmente não existe. Nele, pequenas equipes de jovens com habilidades especiais em diversos níveis, lutam em um sistema de “guerrilha”, investigando, desmascarando e consequentemente eliminando criminosos que representam real ameaça à sociedade e a frágil paz existente no mundo atual.

As equipes lutariam para realizar seu desejo e o de Helena, e lutariam em nome da Deusa da Justiça, Thêmis, que na mitologia seguia as ordens dos Deuses para punir mortais por atos que estes consideravam inconcebíveis.

 

.